quinta-feira, junho 26, 2014

CHAFARIZ DE SÃO MARCOS



"UM CHAFARIZ ABANDONADO POR TODOS"

Volto hoje a um assunto que já aqui abordei variadas vezes, volto ao tema, porque não consigo passar pelo Chafariz de São Marcos e virar a cara para o outro lado, ou fazer de conta que por ali está tudo muito bem. Confesso que não consigo entender e muito menos compreender o abandono a que o dito cujo foi e está sujeito, (embora argumentem que na autarquia se encontra em estudo um projecto para recuperar do pobre chafariz).
Todavia, hoje em vez de falar do estado lastimoso em que ele se encontra, prefiro falar da afronta que o infeliz tem que aguentar diariamente.
Então não é, que certos “albicastrenses” resolvem colocar no pequeno pátio do chafariz os seus popós, tapando o chafariz quase por completo (tal como as imagens aqui postados mostram), independentemente do sinal de proibição de estacionamento, existente no pátio!!!! 
Será que esses “albicastrenses”, envergonhados pela desgraçada imagem que o pobre chafariz transmite a quem por ali passa, decidiram colocar os seus popós em frente do desgraçado, para esconder o lastimoso estado em que o desgraçado se encontra?
Brincadeira à parte, a falta de respeito por um monumento com mais de 400 anos não é de agora, contudo, pensava este albicastrense que com a construção do parque de estacionamento ali mesmo ao lado, o problema fosse ultrapassado. Engano o meu! Pois, continuam a fazê-lo independentemente de terem um parque de estacionamento de borla mesmo ali as lado.
Perante a falta de respeito: pelos quatrocentos anos do chafariz, pela terra albicastrense, pelos albicastrenses e pelo sinal lá existente, este albicastrense só pode mesmo apelar a quem de direito, para fazerem por ali uma ronda de vez em quando, afim de explicar a certos automobilistas o significado do sinal que lá existe.

ÚLTIMA HORA: Fontes ligadas ao sector do diz que não disse, asseguraram ao autor desta enganosa e mentirosa última hora, que os chafarizes albicastrenses se reuniram em assembleia geral na tasca do Zé da “Boa Pinga”, para se solidarizarem com o pobre chafariz de São Marcos, pois ele farto da desconsideração dos albicastrenses e seguindo o conselho de um tal coelho, estaria na disposição de ir para terras distantes, terras que o protegessem do descuramento a que a terra albicastrense o sujeitou.
O Albicastrense

terça-feira, junho 24, 2014

UM POSTAL DE CÂNDIDA BRANCA FLOR


NA BUSCA DA FATI
(TRINTA E SEIS ANOS DEPOIS)

O postal que aqui estou a postar, foi encontrado por mim numa velha casa em ruínas na antiga rua do Saco, quando da recuperação desta rua pela nossa autarquia.
Diz o postal: Para a Fati, com um beijinho da Cândida Branco Flor”. (Cândida Branca Flor morreu há 13 anos. A cantora colocou termo à vida a 11 de Julho de 2001 através da ingestão de álcool e comprimidos).
Faz hoje trinta e seis anos que este postal foi oferecido pela Cândida à “Fati”, por este motivo e também por ser um pouco abelhudo, resolvi colocar aqui o postal para ver se consigo descobrir o seguinte:

Quem será esta “Fati” que morava numa velha casa da rua de Santa Maria, casa que tinha traseiras para a antiga rua do Saco?

Calculo que esta Fati (se for viva), possa ter cerca de cinquenta anos. O motivo deste meu raciocínio, prende-se com o facto de terem passados entretanto 36 anos e ter em conta que normalmente, são os jovens que pedem este tipo de recordações.
Aos albicastrense que visitam este blog peço o seguinte: Se conhece alguém que more, ou que tenha morado na rua de Santa Maria, (perto do centro artístico albicastrense), pergunte a essa pessoa se conhece ou conheceu algum com o nome de Fátima (Fati é diminutivo de Fátima). Entre o lixo existente na casa em ruínas, encontrei também uma fotografia, (imagem que pode ver neste poste). Será esta jovem a Fati?
Como todos temos um pouco de Sherlock Holmes, que tal dar uma ajuda na resolução deste enigma, partilhando este poste no seu facebook.
Este meu pedido pode ser para alguns uma autêntica patetice, (o que não deixa de ser verdade) todavia, deixem-me pensar e sonhar que através da Internet talvez consigamos devolver o postal da Cândida Branca Flor a alguém que com-certeza já foi muito feliz a olhar para ele.
O Albicastrense

quinta-feira, junho 19, 2014

SINAL VERDE


A notícia aqui postada, foi hoje publicada no jornal “Reconquista”, curiosamente este albicastrense que passa pelo local, muitas e muitas vezes a caminho da biblioteca, já se tinha interrogado sobre a tristeza em que aquele pequeno espaço se encontrava, como aliás se pode ver nas imagens aqui colocadas.
É pois com grande satisfação que vejo esta requalificação, ainda para mais, quando é anunciado que o espaço vai ter uma área de lazer com árvores e relvados.
Palavra que ao passar por ali, muitas vezes dei comigo a pensar: “um dia destes vão colocar aqui mais umas tantas placas de granito”.
Parece que me enganei! Por isso, e até prova em contrário, os meus parabéns pelo trabalho que ali vai ser realizado aos responsáveis da autarquia da terra albicastrense. Como nunca vou conseguir esquecer as muitas carradas de granito que foram “semeadas” na minha terra, vou pedir a todos os santinhos, para que a desgraçada “doença” que contagiou a terra albicastrense, seja coisa do passado e que nunca mais  sofra de tal maleta.
O Albicastrense

terça-feira, junho 17, 2014

ENCICLOPÉDIA - (V)

ACONTECIMENTOS DE OUTROS TEMPOS”


No dia dois de Junho de 1920, foi colocada no antigo passeio público, (Centro Cívico), a primeira pedra do que havia de ser um monumento erigido em memória do conselheiro Vaz Preto, a cuja influencia politica, junto do Rei D. Carlos, se ficou a dever a passagem por Castelo Branco, da linha-férrea da Beira Baixa.
Porém, dado que as dimensões do busto em bronze não estavam proporcionadas à vastidão da praça do Município, em 1943 a edilidade municipal decidiu colocar o monumento no Largo da Sé.
PS. A recolha dos dados históricos é de José Dias.
A compilação é de Gil Reis e foram publicados no Jornal ”A Reconquista
O Albicastrense

quinta-feira, junho 12, 2014

COMENTÁRIOS - XXII


ANÓNIMO DISSE...

...pela ausência de comentários parece que não há muita gente em Castelo Branco preocupada com a ausência de sessões de cinema na cidade.
Comentário deixado no post sobre a falta de uma verdadeira sala de cinema comercial na terra albicastrense, comentário onde um anónimo diz estranhar a falta de comentários sobre o assunto, não podia na opinião do autor desde blog, ser mais incomodativo para os muitos albicastrenses que gostam de cinema.
Como não tenho por hábito deixar a defesa daquilo em que acredito pela metade, e como penso que o anónimo tem carradas de razão, volto hoje a este tema, para anunciar que os albicastrenses podem ver nas salas de cinema doCineplace Serra Shopping” da Covilhã pode ao seguintes filmes:

Sala 2: Maléfica
Sala 3: No limite do Amanhã
Sala 3: X-Men: Dias de Um Futuro Esquecido

Voltando ao assunto do cinema em Castelo Branco, palavra que este albicastrense não compreende o total desinteresse por parte dos albicastrenses que visitam este blog.
Será que coloquei o problema de uma forma errada? Se assim foi, o mínimo que se esperaria era que pelo menos contestassem a forma como o assunto era colocado. Ou será que pura e simplesmente os naturais e atuais habitantes de Castelo Branco, se estão borrifando para a falta de uma verdadeira sala de cinema na terra albicastrense? Se é albicastrense não deixe de dar a sua opinião sobre este tema, pois garanto que este não se irá resolver por artes magicas.

O Albicastrense

quarta-feira, junho 11, 2014

CASTELO BRANCO E O SEU ALFOZ – (IX)


  CASTELO BRANCO
  NA
PRIMEIRA INVASÃO FRANCESA
(O primeiro de quatro "poust",  sobre a invasão).

 (Continua)
O Albicastrense

sexta-feira, junho 06, 2014

PÉROLAS DA TERRA ALBICASTRENSE



PAINÉIS DE AZULEJOS COM MOTIVOS MILITARES 


DO
 ANTIGO QUARTEL DE CAVALARIA

DA 
TERRA ALBICASTRENSE




O Albicastrense



quarta-feira, junho 04, 2014

ENCICLOPÉDIA - (IV)

ACONTECIMENTOS DE OUTROS TEMPOS
No dia três de Junho de 1836, devido à instabilidade parlamentar e ao crescente descontentamento popular, o qual punha em causa o modelo de regime político, instituído e definido pelas Cortes Constitucionais de 1826, onde foi outorgada a Carta Constitucional, por D. Pedro IV, substituindo a constituição de 1820, a Guarda Municipal espalhou o terror pela cidade de Castelo Branco, entrando à força em vários domicílios prendendo, sequestrando, injuriando e maltratando todas as pessoas que fossem suspeitas de pertencerem à facção miguelista.
Recolha dos dados históricos: José Dias e
Gil Reis (jornal Reconquista).
O Albicastrense

terça-feira, junho 03, 2014

CRÓNICAS DO QUINTAL DOS MARRECOS - IX

A TRISTE DANÇA MARRÉCAL”

No quintal marrécal está instalada a tontaria politiqueira, os marrecos políticos não param de fazer declarações sobre quem ganhou, quem perdeu e até, quem ficou de olhos virados para dentro.
O marreco primeiro, sempre pronto para dar o dito por não dito e o não dito por dito, esclareceu o povão marrécal que o resultado foi o que foi, por isso vai continuar a dar marretadas no povão, acrescentando logo de seguida, que não ia deixar o poleiro para que outro marreco matreiro se empoleirar nele.
O marreco oposicionista conhecido por "inseguro", afirmou que seu grupo marrécal (o partido do punho) tinha conseguido uma grande vitória, por isso, exigia ao marreco primeiro que fosse dar uma volta ao bilhar grande. Acrescentando de imediato, que o mais alto responsável pelo quintal marrécal (a quem diabo estará o homem a referir-se?) deveria tomar juízo sobre tão majestosa vitória e mandar o primeiro do poleiro abaixo.
O marreco líder do grupo foice e martelo, destacou que o resultado conseguido pelo seu grupo, foi um dos maiores êxitos do grupo nos últimos 25 em eleições europeias e apelidou o primeiro-ministro de 'kamikaze' por insistir na "política de direita", uma "obra de destruição do país".
O líder dos marrecos da terra, afirmou que o resultado das eleições traduz uma vontade de “mudança” sem as “máquinas partidárias”, alegando que os marrecos optaram por “forças políticas e políticos credíveis cumpridores da sua palavra” e advoga valores como “equilíbrio entre classes, defesa dos direitos marrécais, proteção do meio ambiente e solidariedade”, em detrimento de “políticas que privilegiam o capital em vez dos marrecos”. 
Marrecos sabichões contactados por este cronista, argumentaram que as declarações do marreco da terra, são uma espécie de embrulho muito bonito, mas que na prática é mais um espertalhão a querer poleiro.
A dupla marrécal que comanda os marrecos do bloco, declarou perante o péssimo resultado conseguido, que iriam apelar à participação dos marrecos para o debate que as várias estruturas do conjunto vão ter sobre os resultados e os desafios que o referido conjunto tem pela frente. Marrecos espertalhões contactados por este cronista, declararam que o bloco irá muito brevemente começar a designar-se, de mini-bloco da esquerdinha.
 
Última hora: Fontes sem qualquer credibilidade, fizeram chegar a este cronista uma nota onde esclarecem o seguinte: ”A mais alta entidade do quintal marrécal, perante os resultados do arraial europeu, ficou sem pio, não podendo por isso prestar declarações, mas que muito brevemente iria recuperar da desgraçada maleta”.
Depois da última hora: Marrecos do grupo do inseguro, fartos de vitórias minúsculas, decidiram levantar o bico e picar o pobre do inseguro, inseguro que declarou: “mas estes marrecos estão todos desatinados! Eu ganhei e querem correr comigo?”.
O marreco “da-costa”, pretendente ao primeiro lugar do grupo do punho, não contente com os resultados do seu grupo, declarou para quem o quis ouvir: "Estou naturalmente disponível para assumir a responsabilidade de liderar a mudança e garantir um Governo sólido para o quintal, porque isso é essencial para a mudança que os marrecos disseram muito expressivamente querer".
A balburdia pela liderança do grupo punho está pois instalada, resta saber como vão os marrecos “punhaleiros” sair desta enrascado.
O Cronista Marrecal: O Albicastrense

segunda-feira, junho 02, 2014

A TERRA ALBICASTRENSE

UMA IMAGEM PARA TODOS OS ALBICASTRENSES

Algumas das mais belas pérolas 
da terra albicastrense.
O Albicastrense

A RUA DA MINHA ESCOLA – (VII)

        (ESCOLA DA SENHORA DA PIEDADE)                          O que sabemos nós da rua da nossa escola primária? João Evangelista...