quarta-feira, dezembro 28, 2016

O ÚLTIMO POSTE DE 2016


A TERRA ALBICASTRENSE
O ano que agora finda foi sem dúvida um ano bom para a terra albicastrense. Muitas foram as obras realizadas ao longo do ano pelos responsáveis da nossa autarquia em seu benefício, muitas foram as iniciativas efetuadas durante 2016, iniciativas que não vou mencionar por a lista ser longa e não querer de deixar de fora, o que quer que seja.

Para 2017 apresentam-se dois grandes projetos para a terra albicastrense.

O antigo campo do Montalvão e o espaço onde se situava a antiga Metalúrgica da Beira.
No primeiro caso, o projeto conhecido para o local é bastante bom, espero que após tantos anos de promessas não realizadas as obras avancem o mais rapidamente possível. No segundo caso, confesso que a coisa me enriça um pouco, pois por aquilo que conheço, o projeto não me encanta mesmo nada.
Contudo, vou aguardar serenamente pelo projeto final para melhor avaliar o que por ai vem.
Podemos portante afirmar, que quem comanda os destinos da terra albicastrense está de parabéns, pois o ano que agora finda foi um ano generoso para a nossa terra.
Como quem acarinha bem a terra albicastrense, acarinha-me a mim também, este albicastrense só pode agradecer o bom trabalho realizado e pedir mais do mesmo para 2017.
Para terminar, um novo ano cheio de muita saúde para todos os visitantes deste blogue.
 O albicastrense

quinta-feira, dezembro 22, 2016

UM BOM NATAL





FOGUEIRA
DE SÉ



Para todos os albicastrenses que por motivos vários não possam estar na terra que os viu nascer no dia de natal, aqui ficam três imagens dos preparativos da principal fogueira de natal da terra albicastrense.
Para eles e para todos os visitantes deste blogue, um bom natal e um ano de 2017 com muita saúde, todo o resto vem por acréscimo. 
                                             O Albicastrense

segunda-feira, dezembro 19, 2016

EFEMÉRIDES MUNICIPAIS – CXIV


A rubrica Efemérides Municipais foi publicada entre Janeiro de 1936 e Março de 1937, no jornal “A Era Nova”. Transitou para o Jornal “A Beira Baixa” em Abril de 1937, e ali foi publicada até Dezembro de 1940.
A mudança de um para outro jornal deu-se derivada à extinção do primeiro. António Rodrigues Cardoso, “ARC” foi o autor desde belíssimo trabalho de investigação, (Trabalho que lhe deve ter tirado o sono, muitas e muitas vezes).

(Continuação)
 Nesta sessão de 9 de Janeiro de 1806 apareceram os “criadores de gado”, Diogo da Fonseca Barreto Mesquita, D. Clara Jacinta Zuzarte, José da Silva Castelo Branco, Padre Manuel dos Reis Soares e Padre António da Maia Nogueira, a queixar-se de que tinham sido proibidos de fazer entrar os seus gados na Granja da Senhora de Mércoles e por isso estes não pudera, pastar parte das ervagens que os queixosos tinham arrematado, requerendo portante que se precedesse à avaliação de parte das ervagens que não puderam utilizar para o “devido abate” nas importâncias por que tinham arrematado.
A Câmara achou que os queixosos tinham razão e fez-lhes a vontade. Lá forma dois louvados e acharam que a parte da ervagem da Rebouça incluía na Granja da Senhora de Mércoles valia bem vinte e dois mil réis; e da Pedra da Abelha valia doze mil réis, a do Vale do Lobato valia dez mil réis; a dos coutos de Santa Ana valia vinte e três mil réis; a do Semideiro valia doze mil réis. Abaterem-se estas quantias às importâncias que os “criadores de gado” aludidos se tinham comprometido a pagar e não se falou mais nisso.
O escrivão agora chamava-se José Manuel Vaz Touro. Ainda conhecemos um homem e duas mulheres cá na cidade que usavam o apelido de Vaz Touro.
As duas mulheres morreram velhas sem filhos. O homem, perdemo-lo de vista e não sabemos dizer se tinha filhos. Se os tinha, puseram de parte o apelido da família, porque hoje não conhecemos cá ninguém que se chame e assine Vaz Touro.

Vem agora a sessão de 26 de Fevereiro de 1806. Começaram os vereadores por nomear procurador do concelho, em Escalos de Cima, José Robalo, em razão de ter pedido e obtido dispensa do exercício do cargo José Vaz de Sousa pelo facto de residir na Povoa de Rio de Moinhos.
A seguir nomearam derramadores de décima José Jorge, José Vaz Cunha, José Joaquim Pancas, Manuel Nunes Torrado, António de Almeida Freixedas e Dr. José Esteves Povoa.
Depois apareceu coisa de maior importância, que o bom do escrivão Vaz Touro conta assim:
Nesta determinarão que eu Escrivão copiasse no livro competente desta Câmara o requerimento que se fez a Sua Alteza Real com todos os documentos que o acompanhavam para esta mesma Câmara ser conservada na posse dos pastos das granjas de Nossa Senhora de Mércoles e Ribeiro da Torre como tão bem a Provisão expedida ao Almoxarife da Comenda de Santa Maria do Castelo desta cidade pela Junta da Sereníssima Casa, e Estado do Infantado em data de dezanove de Dezembro de mil oito centos e cinco, pela qual Sua Alteza Real foi servido deferir ao mesmo requerimento”.
(Continua)
PS. Aos leitores dos postes “Efemérides Municipais: O que acabaram de ler é uma transcrição fiel do que foi publicado na época.  
                                               O Albicastrense

quinta-feira, dezembro 15, 2016

PRAÇA CAMÕES

As obras na antiga biblioteca situada na Praça Camões decorrem a bom ritmo, dentro de algum tempo, os albicastrenses poderão finalmente ver o velho edifício recuperado das maletas que o tempo lhe ferrou.
A Praça Camões é segundo este albicastrense a mais bonita praça da terra albicastrense, todavia, nesta praça existe ainda um edifício que embaraça a beleza desta nossa lindinha.
O Edifício em causa é o que ilustra este poste, edifício de que já aqui falei variadas vezes, mas que infelizmente não recolheu quer por parte proprietário, (que desconheço) quer pelos responsáveis da nossa autarquia qualquer resolução.
Perante tal inercia, não posso deixar apelar ao presidente da autarquia albicastrense o seguinte: 
Senhor Presidente, o proprietário deste edifício tem que assumir a responsabilidade de o recuperar, se o não fizer, a autarquia deve assumir essa responsabilidade e depois apresentar a factura ao respectivo dono.


Última hora:
Um ciganito que mora sob o velho arco do Bispo, afiança que durante a noite se ouvem lamentos e queixumes que parecem escapar do velho arco do Bispo.
Segundo ele, o arco parece dizer o seguinte: “Que mal fiz eu aos albicastrenses, para ter encostado a mim uma casa abandonada e tão mal tratada?
 O Albicastrense

domingo, dezembro 11, 2016

CASA DA MEMÓRIA JUDAICA DE CASTELO BRANCO


A Casa da Memória Judaica em Castelo Branco, situada na rua das Olarias, está finalmente aberta ao público conforme foi noticiado nos jornais da terra albicastrense.
Visitei o local e confesso que gostei imenso do que vi. Todavia, convém deste logo afirmar que os crimes cometidos pelos nossos antepassados em nome da fé, não ficam perdoados com a abertura deste espaço, eles foram horrendos de mais para se passar uma borracha sobre tais monstruosidades.
O fanatismo religioso dessa época era tanto, que nem uma albicastrense de 115 e uma criança com 15 anos, escaparam á morte por tortura.
Cerca de 300 anos depois, a terra albicastrense pede desculpa das crueldades cometidas no passado, lembrando os nomes daqueles que não renegaram as suas crenças religiosas, na Casa da Memória Judaica de Castelo Branco.   

O meu bem-haja aos responsáveis da nossa autarquia, pela abertura da casa da Memória Judaica da terra albicastrense.
O Albicastrense

quinta-feira, dezembro 08, 2016

O CASTELO E AS MURALHAS DA TERRA ALBICASTRENSE – (VIII - Ultimo)

ACHEGAS PARA UMA MONOGRAFIA REGIONAL
“CASTELO BRANCO E O SEU ALFOZ”
(J. RIBEIRO CARDOSO)
 (Continuação)
O monte onde o Castelo se levanta é natural miradouro da velha urbe e da cidade nova que transbordou para fora das muralhas em alegre casario.
A cidade velha tinha um fáceis específico a imprimir-lhe carácter de agrupamento populacional ordenado em unidade militar.
Pedro Alvito, o do foral, taxou o mínimo de haveres para a incorporação obrigatória dos habitantes de Castelo Branco no corpo de cavalaria municipal.

Lá está no foral: “O proprietário de bens rústicos possuidor de uma junta de bois, dez avelhas e 1 burro, é obrigado a comprar cavalos para servir na cavalaria do concelho”.

Temos o palpite de que a cópia do foral hoje existente, está errada no número das ovelhas exigido para os habitantes de Moncarche serem compelidos a entrar na cavalaria municipal, mas seja como for, a grande maioria estava arregimentada, como ainda hoje se pode fazer certo pelo casario, que se alinha nas ruas estreitas que vão das muralhas à alcáçova, no mesmo ritmo de construção, porta larga para a arrumação do cavalo na loja, e porta estreita para serventia do andar onde se alojavam o cavaleiro e sua família.
Quando o apelido anunciava que o inimigo pisava terra do concelho, ou chegara a hora da arrancada para o fossado, a cavalaria do Moncarche saia dos seus quarteis e ia formar no adro de Santa Maria, alinhando sob o comando de um freire do templo que a ensinara a ser impetuosa no ataque e testaruda no designo de vencer.
 
No século XIII o cerco das muralhas abrangia umas jeiras de terra fugida à urbanização, e só mais tarde nela incorporada, conforme se deduz da toponímia citadina que guarda lembranças da rua dos Chões.
Praça da Palha, ruas dos Lagares e outros. A vida económica do concelho pulsava mesmo na encosta do Castelo, como faz certo a rua do Mercado, que devia em tempos mais recuados acudir pelo chamadouro de rua dos Açougues, onde os homens de fora pagavam a portagem pelas suas transações comerciais:
Compra e venda de panos e animalejos do burro ao cavalo, com passagem pelo mouro forro”, fora o resto, como está no foral.
 O mercado com o tempo deslocou-se para o centro da cidade velha, praça hoje de Luís de Camões, com os seus prolongamentos naturais, rua dos Ferreiros a entestar com a porta da Vila.
 A tendência porém, era fugir para fora de portas, na peugada dos cavaleiros vilãos, já burgueses enriquecidos, que á formigas vieram agrupar-se em volta da igreja de São Miguel, que se tornou freguesia independente de Santa Maria.
 Adentro das muralhas ficaram somente os peões agarrados á concha da sua miséria. O mercado acabou por vir no encalço dos cavaleiros para fora de portas, ali para o largo da Devesa, onde aguarda oportunidade para se mudar para melhor sitio, em ordem a satisfazer as necessidades de uma população  em vias de constante crescimento.

PS. Com este poste, termina a publicação do excelente trabalho de J. Ribeiro Cardoso sobre o castelo e as muralhas da cidade de Castelo Branco. 
O Albicastrense

domingo, dezembro 04, 2016

O CASTELO E AS MURALHAS DA TERRA ALBICASTRENSE – (VII)

ACHEGAS PARA UMA MONOGRAFIA REGIONAL
“CASTELO BRANCO E O SEU ALFOZ”
(J. RIBEIRO CARDOSO)
 (Continuação)
Veio de Lisboa alçada de desembargadores a inquirir da proeza e condenou Manuel da Fonseca a ser degolado em estátua, o que lhe não doeu nada, e a pagar 10 cruzados á família de Dom Fernando de Meneses e 4 mil às famílias de dois criados dele, que perderam a vida na bulha porca das duas famílias desvairadas.
Manuel da Fonseca foi mais tarde indultado por Dom João IV, com restituição das suas honrarias, mas proibido de viver em castelo Branco e em 7 léguas em redor.
Fixou residência em Oledo onde tinha casa de avultados haveres. O castelo em si também não tem história nem lenda a memorar feitos de valentia. Na guerra da sucessão, em 22 de Maio de 1704, um corpo de exército franco-castelhano cerou a vila, que logo no dia seguinte se rendeu. O invasor manteve-se na vila pelo espaço de 40 dias, onde fez graves desacatos.
Dentro da Alcáçova estava o Palácio dos Comendadores. Não sabemos notícias dele, senão a que nos dá o Doutor Manuel Tavares Falcão no Tombo que organizou dos bens da Casa do Infantado, em 16 de Outubro de 1753 e que reza assim:

O PALÁCIO DOS COMENDADORES 
DE SANTA MARIA DO CASTELO DA VILA DE CASTELO BRANCO 

Medição e descrição do palácio dos comendadores de Santa Maria do Castelo da vila de Castelo Branco. Está o dito palácio fundado dentro do castelo da dita vila sobre um monte em cujas faldas, para a parte nascente, está situada a vila de castelo Branco.
Entrando pela porta principal da muralha do dito castelo, fica à mão direita junto da capela-mor da igreja de Santa Maria a porta principal do palácio, que é de pedra de cantaria, e as suas portas de madeira chapeadas de ferro, tem a dita porta de altura 3 varas, e de largura 2 e meia, e à entrada desta está um pátio que tem de comprimento 25 varas e 4 palmos, e de largo 15 varas e 4 palmos; à mão direita da entrada do dito pátio está um quarto com balcão para onde se sobe por uma escada de pedra, de 12 degraus, e tem o dito quarto duas portas em cima do dito balção, duas janelas na sua parede que caiem sobre o pátio; e para a parte da vila tem viradas 3 janelas; era o dito quarto uma sala grande, e se acha ao presente dividida em 4 quartos, dois são de telha vãn, e os outros forrados de madeira.
Há debaixo do dito balcão um arco de pedra por onde se entra para a loja que serve de cavalariça, e tem todo o dito quarto de comprimento 18 varas e 2 palmos, e de largo 6 varas e 1 palmo.
Há no dito pátio um jardim cercado de pedra de cantaria de almofadas, que tem de largo 7 varas e 4 palmos, e de comprimento 9 varas e meia; tem algumas árvores de espinho, e à roda seus jasmineiros. Fica o dito jardim debaixo da galeria que o dito palácio tem sobre o dito pátio, que consta de 4 janelas rasgadas.
À parte esquerda da entrada do dito pátio está uma cisterna com suas guardas de pedra de cantaria, e por esta mesma parte cerca o dito pátio uma parede em que está uma porta que vai para uma cerca detrás da igreja de Santa Maria, que tem de circunferência 152 varas e 4 palmos, e fica toda tapada com a parede da dita igreja pela parte por onde se entrava para a tribuna que os comendadores tinham na mesma, e com a muralha. Dentro da dita cerca estão umas casas térreas, que serviam antigamente de armazém para o tesouro e munições de guerra: estão ao presente quase arruinadas, tem duas portas para a cerca, e de comprimento 19 varas e 4 palmos, e de largo 4 varas.
Por cima da porta da cerca há um patim de cantaria, do qual se sob para a escada principal da pátio, que tem 26 degraus de pedra; e no cimo da dita escada está outro patim coberto de forro de madeira, sustenta-se sobre 3 colunas. Na entrada há uma porta de 9 palmos de alto e 7 de largo por onde se entra para um recebimento lajeado de pedra sobre a abobada, que antigamente era descoberto, e consta que servia de cisterna, que tem 4 varas de comprido e 3 de largo, no qual estão duas portas, e se desce pela da esquerda por uma escada de pau para uma casa térrea em  que está uma chaminé e um forno; e pela outra porta se entra para a sala da espera do palácio, que tem duas janelas, uma de assentos e outra rasgada viradas para o nascente, e uma chaminé, tendo de comprimento 10 varas, e 5 de largo.
Há nesta sala mais três portas, por uma das quais se entra para um quarto que tem uma janela rasgada sobre o pátio; e deste quarto há uma porta para outro que tem uma janela rasgada, e por ali se entra por uma porta para um outro quarto com sua janela, e tem este 5 varas de comprimento, e 3 e 2 palmos de largo.
Pela porta que está no canto da dita sala de espera, se entra para uma outra sala com sua janela para o norte, tendo de comprimento 6 varas e meia, e 5 e 4 palmos de largo. Tem esta duas portas, uma à direita, que dá entrada para o ultimo quarto, e outra para a ultima sala com duas janelas, uma para o norte e outra para o nascente, e uma chaminé, tendo 8 varas e meia de comprimento e 5 de largo; e havendo ainda outra porta por onde se entra para um quarto ladrilhado de tijolo, que tem 5 varas de comprido e outras 5 de largo.
Há no dito quarto três portas que dão entrada, uma para a cozinha, que tem 6 varas de comprimento é 5 de largo, outra que dá saída para a varanda do palácio, da parte do nascente, que é ladrilhada de tijolo com sua guarda de parede pela dianteira, e pelos lados tem seus alegretes para flores, tendo de comprimento 14 varas e 4 palmos, e de largo 4 ditas.
Estão os três quartos de que se fez menção formados sobre três arcos de pedra, que estão ao presente tapados, á exceção de um, pelo qual se entra ficando á mão esquerda um portado que dá entrada para uma casa que fica debaixo do primeiro recebimento do palácio que é de abobada. Defronte do dito arco está um portado de cantaria lavrada, grande e magnífico, por onde se entra para uma sala que fica debaixo da de espera, que é toda ladrilhada, e no meio tem um florão de azulejo, tendo de comprido 10 varas e 2 palmos, e de largo quatro varas e dois palmos; e nesta sala está uma porta para o norte, por onde se sai para um passeio ladrilhado de pedra miúda e cercada de parede com seus alegretes de roda, pelo que mostra que foi jardim, o qual tem de comprido 12 varas e de largo 5.
No cimo da dita sala à direita da sua entrada está outra porta por onde se entra para uma loja, que serve ao presente de tulha; e defronte da casa de abobada há outra porta por baixo de um arco por onde se entra para a tulha do azeite.
As paredes do palácio são todas mais altas do que os seus telhados, e todas cercadas de ameias que forma a perspectiva da torre da muralha.
Na forma referida é, que está o sobre-dito palácio, e todo está suficientemente reparado sem ameaçar em parte alguma ruína”.

Desta famoso Palácio nada existe hoje a lembrar a sua existência, a não ser a prosa do Juiz do Tombo.
(Continua)
O Albicastrense

A RUA DA MINHA ESCOLA – (IX)

(ESCOLA DO BONFIM)                               O que sabemos nós da rua da nossa escola primária?    (Rua do Bonfim)         ...